O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deixará temporariamente o cargo em 22 de julho, quando termina seu mandato.

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deixará temporariamente o cargo em 22 de julho, quando termina seu mandato. A Comissão de Constituição e Justiça do Senado adiou para agosto sua sabatina.

Por pelo menos 12 dias, a Procuradoria será comandada pelo atual vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal, Eugênio Aragão.

Dilma decidiu reconduzir Gurgel ao cargo, mas ele só pode reassumir após sabatina e aprovação no Senado. O adiamento foi retaliação da oposição à decisão de Gurgel de não investigar Antonio Palocci (ex-Casa Civil) por suspeitas sobre sua evolução patrimonial.